Tesla, de Elon Musk, processada por supostamente exagerar as estimativas de alcance

Tesla, de Elon Musk, processada por exagerar estimativas de alcance.

Um grupo de proprietários de Tesla processou a empresa de carros de Elon Musk, alegando que ela exagerou a capacidade de alcance de seus veículos.

Isso não é um desenvolvimento inesperado, considerando que uma investigação da Reuters descobriu que a Tesla exagerou o alcance de seus veículos e trabalhou para suprimir reclamações de clientes a esse respeito. O relatório alegou que os Teslas, inicialmente, mostravam uma estimativa “positiva” de quão longe o carro iria com a carga e depois mudavam para uma imagem mais precisa assim que a bateria atingia 50%. Isso se tornou um problema tão grande que a Tesla supostamente criou uma equipe de desvio especializada em cancelar agendamentos de manutenção para clientes que temiam que sua bateria estivesse com defeito.

Portanto, sim, quando esse relatório foi divulgado, parecia ser uma conclusão inevitável que haveria processos judiciais.

“Simplificando, a Tesla tem o dever de entregar um produto que funcione conforme anunciado”, disse Adam A. Edwards, advogado do escritório que representa os proprietários de Tesla, via CNBC.

O processo movido nesta semana acusa a empresa de “publicidade enganosa do alcance dos veículos elétricos, que a Tesla supervalorizou ao vender os veículos para os consumidores”. O processo, embora tenha três autores nomeados, é uma ação coletiva que busca representar todas as pessoas na Califórnia que compraram um Tesla Model 3, Model S, Model Y ou Model X.

“Se a Tesla tivesse anunciado honestamente o alcance de seus veículos elétricos, os consumidores não teriam comprado os veículos da Tesla ou teriam pago substancialmente menos por eles”, diz a ação.

Com esses relatórios nas notícias, parece ser uma aposta segura que este não será o último processo judicial que veremos.