A combinação do Teams e do Office da Microsoft pode violar as regras de concorrência da UE

A combinação do Teams e do Office da Microsoft pode violar regras de concorrência da UE.

Na quinta-feira, a Comissão Europeia abriu uma investigação antitruste sobre a inclusão do aplicativo Teams da Microsoft em seu pacote Office, que inclui Word, Excel e Outlook. A UE está preocupada que essa prática possa violar as regras de concorrência do bloco.

A investigação foi iniciada por uma reclamação apresentada em 2020 pela Slack. A plataforma concorrente de mensagens no local de trabalho alegou que a Microsoft havia vinculado ilegalmente o Teams às suas ferramentas do Office e estava “abusando de sua posição dominante no mercado para extinguir a concorrência”, em violação das leis da UE.

Após análise da reclamação, a Comissão concluiu agora que a inclusão do aplicativo pode de fato constituir uma prática anticompetitiva.

Especificamente, os reguladores expressaram duas preocupações. Primeiro, a Microsoft pode estar concedendo uma vantagem de distribuição ao Teams, não oferecendo aos clientes a opção de não comprar o aplicativo ao assinarem o Office 365. Em segundo lugar, eles suspeitam que a gigante de tecnologia dos EUA tenha limitado a interoperabilidade entre seus pacotes e serviços concorrentes, como o Slack.

“Ferramentas de comunicação e colaboração remota, como o Teams, se tornaram indispensáveis para muitas empresas na Europa”, disse Margrethe Verstager, comissária antitruste da UE. “Portanto, devemos garantir que os mercados desses produtos permaneçam competitivos e que as empresas tenham liberdade para escolher os produtos que melhor atendam às suas necessidades.”

Em 2009, a UE abriu uma investigação antitruste semelhante contra a Microsoft, depois que a empresa tentou incluir o Internet Explorer em seu sistema operacional Windows. Em resposta, a Microsoft concedeu aos usuários a opção de usar seu navegador preferido.

Agora, a gigante de Redmond parece estar disposta a cooperar novamente. “[Nós] continuaremos a colaborar com a Comissão e estamos comprometidos em encontrar soluções que abordem suas preocupações”, disse a empresa em comunicado.

Se a Microsoft for considerada em violação das regras de concorrência da UE, ela será obrigada a oferecer soluções ou correrá o risco de uma multa de até 10% de seu faturamento anual total.